sábado, 28 de fevereiro de 2009

As autoridades daquela Época


Na Aldeia do Rêgo, 80% do povo era analfabeto. Os lavradores mandavam os filhos e filhas à lição. Os caseiros e os pobres só punham na escola os rapazes e nem todos. E muitas vezes, apenas para aprender a ler e escrever.

Os meus pais deixaram-me fazer a 3ª classe, graças ao Inácio do Marialves, que me dava pão e a professora que, quando se apercebeu, que eu passava fome, passou a dar-me todos os dias o caldo, escondido dos outros alunos. Também cheguei a ver dar o caldo ás filhas do Rija.

Era uma professora muito humana. Em nada a beliscaram na sua dignidade, os bolos da palmatória e as vergastadas que deu aos alunos. Eu levei bastantes. Os poucos alunos que ainda estão vivos, podem testemunhar o seu passado. (Ver Post, Escola da Aldeia, quando publicar).


Como, na freguesia só havia uma única escola e apenas com uma sala, primeiro, eram escritos os filhos e filhas dos lavradores e das pessoas importantes ligadas ao regime, depois eram escritos os filhos dos caseiros e por ultimo, os filhos dos Indigentes, se houvesse lugar na sala em redor das carteiras.


As autoridades daquela Época


Autoridades Policiais e Judiciais da freguesia do Rêgo, regidas pela Constituição Política Portuguesa, votada directamente pelo Povo em 19 de Março de 1933 e entrou em vigor no dia 11 de Abril de 1933. Tendo sido alterada por várias Leis posteriores.


Autoridade Judicial-Juiz de Paz era uma entidade existente na freguesia com funções de auxiliar dos serviços da justiça.


Nas sedes do concelho a função de juiz de paz era inerente ao cargo de conservador do registo civil; nos restantes julgados de paz, era inerente ao cargo de professor, do sexo masculino, do ensino primário da sede da respectiva freguesia.


Em qualquer dos casos a função era exercida independentemente de nomeação, diploma ou posse.


Nas sedes do concelho ou de freguesia em que não havia professor do sexo masculino, o cargo de juiz de paz era exercido por pessoa idónea, incluindo qualquer funcionário publico ou administrativo, era livremente nomeado e exonerado pelo ministro da justiça, sob proposta do juiz de direito.


Aos juízes de paz competia:


1º Praticar, por delegação de juiz de direito, ou do juiz municipal da respectiva comarca ou julgado, os actos seguintes:

Deferir o juramento a louvados, tutores, curadores, vogais do conselho de família e cabeça-de-casal; tal delegação era obrigatória quando a sede do Julgado estivesse a mais de 15 quilómetros da sede da comarca.


2º Fazer cumprir os mandados e as cartas, ofícios e telegramas para citação, notificação e afixação de editais;


Tomar conhecimento dos crimes ou infracções cometidas na área dos respectivos julgados, mandando lavrar auto de notícia;


4º Prender os delinquentes em flagrante delito ou quando fosse admissível a prisão sem culpa formada ou ainda por ordem do juiz, delegado ou autoridade competente;


5º Exercer as demais atribuições que lhes sejam conferidas por ele.


Os juízes de paz podiam praticar os actos judiciais nos edifícios escolares das sedes dos seus cargos, mas a horas que não colidissem com as de professor.


UM JUIZ DE PAZ INDECENTE


O juiz de paz da freguesia do Rêgo era o Russo da Tomada. Aquele verdugo sentia prazer em prender ou mandar prender os Indigentes. Era conhecido como administrador e não como juiz de paz.


Quando o Cabo de ordens mandava alguém apresentar-se no administrador, as pessoas ficavam trespassadas de medo.


Não eram só os Indigentes que se queixavam, caseiros e lavradores, sempre que se falava no “Russo da Tomada” A palavra que se ouvia era. O russo da tomada é um grande tratante.

Era um serventuário do regime fascista que ultrapassava as funções que lhes tinham sido atribuídas.


Não sei o que ele terá feito a outos. Narro o que ele fez aos Indigentes "Pistolas” de Vila Boa e Bolada.


Os Indigentes, Francisco Lopes Vaz e Manuel Lopes Vaz, pai e filho, conhecidos pelo Pistola de Bolada que era o meu avô, e o meu pai, Pistola de Vila Boa, foram-lhe entregues como prisioneiros, acusados por um crime de incêndio, que não cometeram, como adiante se verá, na história do Regedor.


O Russo massacrou-os para os obrigar a confessar um crime que não fizeram.


Queria arrancar à força a primeira confissão de incendiários, antes de os mandar para a cadeia.


Entraram ás oito horas da manhã e só à tarde foram levados para a cadeia da comarca.


A minha mãe ao meio-dia, levou um pote de caldo para o meu pai e o meu avô comerem. O famigerado juiz de paz, não os deixou comer o caldo.


Eu que acompanhei a minha mãe naquela diligência, quando vi o meu pai e o meu avô a chorar, a minha mãe aos gritos, comecei também a chorar.


A minha mãe todos os dias à noite rezava o terço e pedia a Deus para que os presos fossem soltos. Clamava para Ele. Meu Deus! Soltai-os!


Pessoa muito temente a Deus, procurava daquela forma encontrar alívio para o seu desespero. Filhos a passarem fome. Homem preso inocente. Deixou de entrar em casa a jorna dos dias de trabalho. Desgraça.


Aquele juiz de paz, era realmente um homem sem carácter. Manuel Lopes Vaz o atrás citado “Pistola de Vila Boa” foi agredido à sacholada pelo "Tarneco" caseiro do lavrador Soldado de Bolada e que o deixou ás portas da morte.


O juiz de paz com perfeito conhecimento, de que o Indigente foi barbaramente agredido por uma fútil discussão, tomou o partido do agressor, e apresentou em tribunal uma pistola falsa, alegando que a mesma era pertença de Manuel Lopes Vaz e que aquele a tinha apontado ao “Tarneco” o que levou o agressor a agir em legitima defesa.


O agredido ficou em apuros.


Correu o risco de vir a ser condenado pelas falsas declarações de Russo da Tomada. O tal juiz de paz.


Valeram ao meu pai, três prestigiados lavradores, a quem aqui nestas memórias presto a minha homenagem, JOAQUIM dos POCINHOS, ANTÓNIO PEREIRA e o MANUEL PIMENTA DE BOLADA, que naquela altura era presidente de Junta de freguesia do Rêgo e padrinho de baptismo do meu pai, e pai do Abel Pimenta de Bolada que também foi presidente de Junta da Freguesia do Rêgo.


Ambrósio Lopes Vaz

3 comentários:

  1. No tempo da outra senhora era assim que marchava.Agora a senhora é outra, á liberdade, até o filho do pistola vem para a Net contar histórias. Será que isso tem algum interesse, mesmo sendo verdadeiras? O que passou, já morreu.Eu não vejo os que estão no governo de agora fazerem melhor.Estão mas é a dar cabo de tudo.No tempo de Salazar os políticos não esbanjavam os dinheiros públicos. Havia mais respeito. Agora vejo o meu pais a saque. Como o sr. Ambrósio no seu blog, diz que todos têm direito de expressar a sua opinião, espero que publique o meu comentário.Anónimo

    ResponderEliminar
  2. É com muito prazer que já vejo este blogue, com 266 visitas, pois como tinha falado com o seu autor Ambrosio Lopes Vaz, seria um sucesso \ surpreso para as gentes da nossa freguesia; pois é uma das boas maneiras de fazer chegar as nossas gerações o passado recente da nossa aldeia,
    Obrigado por fazes com que uma ideia minha tivesse avançado desta forma rápida
    Dinis Carvalho

    ResponderEliminar
  3. Caro Dinis,foi uma boa edeia.Tudo que o sr. me pediu, vai ser publicado. Vão aparecer vários Posts. Neste momento estou a resolver problemas de saúde da minha esposa. Mas para a semana vão aparecer mais novidades. Cordiais saúdações para todos os vizitantes e um abraço para o Sr Engenheiro.
    Ambrósio Lopes Vaz

    ResponderEliminar